Água ficando pelo caminho: desperdício exagerado em adutora pode levar Prefeitura de Nova Olinda a reagir


Folha do Vali

Nos últimos 25 dias, milhares de metros cúbicos d’água saíram do açude de Nova Olinda e foram simplesmente para o solo. Todo esse desperdício foi provocado pelos inúmeros vazamentos na adutora de 13 milhões de reais construída pelo Governo do Estado com recursos federais para levar água a Itaporanga, que está de torneiras vazias há mais de um ano e um mês.

A adutora está em fase de teste e, pelo visto, parece que tem sido reprovada devido a erros de execução na obra, gerando muitos problemas. A água não consegue chegar à cidade sem que ocorra algum vazamento ao longo dos 30 km de tubulação. Tantos vazamentos e a imensa quantidade de água desperdiçada têm preocupado a população de Nova Olinda, que é abastecida pelo açude e teme pela sua seca, e revoltado a população itaporanguense, que há mais de dois anos espera a obra. “É muita água que fica pelo caminho, enquanto aqui só chega promessa”, comentou um morador urbano de Itaporanga.

Sem chuvas suficientes até agora, já no mês de março, e tantos desperdícios, o açude de Nova Olinda está com apenas 18,5% de sua capacidade, o que representa apenas pouco mais de 18 milhões de metros cúbicos d’água. É pouca água para tanta demanda e desperdício, o que já tem provocado um discussão interna na Prefeitura de Nova Olinda, que poderá adotar alguma medida, inicialmente administrativa, para evitar que um grande volume de água saia do açude e não tenha nenhuma utilidade. “O problema é que essa água está saindo do reservatório e não está chegando a Itaporanga devido aos constantes vazamentos na tubulação, e, assim, todos ficam prejudicados”, comentou um secretário municipal.


Fechar[x]