Sem água para beber, estudantes de Itaporanga estão saindo mais cedo, e com outro tipo de sede


Sem água em grande parte das escolas públicas de Itaporanga para o consumo pessoal e as atividades diversas, os professores e diretores escolares estão liberando os seus alunos mais cedo. 

Com isso, os estudantes ficam com uma hora de aula a menos todos os dias. Indo para casa antes do tempo regular de estudo, os jovens passam a sofrer um outro tipo de privação: sofrem com a cede não saciável de conhecimento.

                
Isso agrava a situação do ensino, porque em muitas escolas públicas já existe uma defasagem histórica no processo de aprendizagem. “Em minha escola, o tempo das aulas também diminuiu: agora só é meia hora para cada aula, e não só falta água, falta merenda também”, lamentou um aluno de uma escola estadual de Itaporanga a caminho para casa.
                
Na manhã desta quinta-feira, 10, centenas de alunos das escolas estaduais Padre Diniz, Manoel Diniz e Semeão Leal foram encontrados caminhando pelas ruas, por volta das 10h, já retornando para casa. Mas esses educandários públicos não são os únicos a liberar seus alunos mais cedo. 

A falta d’água na área urbana de Itaporanga, resultado do colapso hídrico que a cidade sofreu em fevereiro deste ano em face da omissão das autoridades administrativas e judiciárias, está trazendo diversos outros prejuízos para a sociedade, inclusive à saúde pública.

Folha do Vali
Fechar[x]