Vereador de Pedra Branca faz uma constatação preocupante em relação ao município

O vereador Edvanildo Paz (PSB), da bancada da oposição na Câmara de Pedra Branca, disse à Folha na manhã desta terça-feira, 2, que as finanças do município estão em crescente descontrole. 

A constatação foi feita por ele com base em dados do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que deverão ser apresentados na próxima sessão do legislativo deste sábado, 6.

            
Conforme o parlamentar mirim, o problema tem uma razão bastante conhecida: a edilidade tem gastado mais do que arrecada. E essa desproporção entre o que entra e o que sai dos cofres municipais tem comprometido a falta de investimento em obras e ações importantes em áreas essenciais na cidade, a exemplo de saneamento básico. “Em 2014, a Prefeitura só gastou R$ 5 mil com saneamento básico, como a própria Folha revelou, e isso é uma vergonha, principalmente porque o prefeito é médico e deveria saber que investir nesse setor significa investir em saúde”, enfatizou Edvanildo.
            
Outra consequência danosa ao andamento da gestão municipal causada pelo desajuste fiscal do município é o atraso salarial “de alguns servidores e do pagamento de fornecedores, prejudicando, principalmente, a população mais carente do município, que precisa de um serviço e não encontra”, disse o vereador.
            
De acordo com o legislador, o prefeito Allan Feliphe (PR) assumiu a Prefeitura em 2013 com dinheiro em caixa, mas perdeu o rumo administrativo no mesmo exercício financeiro, resultando no desequilíbrio das contas municipais. Ele cita os gastos excessivos com a folha de pessoal uma das causas do problema. “Somente em 2014, a Prefeitura gastou R$ 4,7 milhões com funcionalismo, valor esse que corresponde a cerca de 33% de todos os recursos movimentados de janeiro a dezembro, sem contar o repasse ao INSS desses servidores”, afirmou Edvanildo.
           
“Em 2012, último ano da gestão do ex-prefeito Anchieta Noia, a Prefeitura pedra-branquense gastou e pagou R$ 9,5 milhões, deixando as finanças em ordem para o atual prefeito. Mas, já em 2013, o gestor terminou o ano devendo mais de R$ 882,7 mil”, segundo o vereador.
             
Paz disse ainda que, no ano passado, a situação piorou ainda mais. “Dos 14,2 milhões gastos, a Prefeitura só pagou R$ 11,4 milhões, entrando neste ano de 2015 com uma dívida de R$ 2,8 milhões”.
             
Para o vereador, este ano, que já entrou para o sexto mês, também não terá novidades para o município no que depender do dinheiro próprio do município. “O prefeito só tem dois caminhos a seguir até dezembro: ou ele corta gastos para buscar sanar as finanças municipais ou vai se complicar de vez se continuar gerando despesas desnecessárias e acima do que a Prefeitura arrecada”.   
            
Argumento não convence - Edvanildo disse que a Prefeitura tem justificado  o descontrole financeiro do município com o argumento de que  a edilidade só arrecada menos de R$ 300 mil por mês, o que, na opinião dele, “é uma grande inverdade”. O vereador apresentou à Folha extrato do Banco do Brasil tirado nesta terça, onde consta que foram repassados ao município, somente no mês de maio passado, mais de R$ 1,1 milhão. 

www.folhadovali.com.br
Fechar [x]