Visita relâmpago de Dilma à Paraíba é marcada por imprensa e autoridades politicas e sociais barradas

A visita da Presidenta Dilma nesta terça-feira (13) ao município de São José de Piranhas durou pouco mais de 20 minutos. Ao seu lado estavam: O Senador Vital do Rego Filho (que veio de Brasília com ela em seu avião) e o governador Ricardo Coutinho (PSB), que foi esperá-la em Juazeiro do Norte, no Ceará e também acompanhá-la até São José de Piranhas, no Sertão do Estado.

Parte da imprensa da Paraíba foi barrada de fazer cobertura da solenidade da Transposição do Rio São Francisco, pois o cerimonial do Planalto não determinou local, nem horário exato para chegada e credenciamento dos jornalistas.


Os jornalistas de portais, rádios da região e até da Capital, a exemplo da Rádio Tabajara, Campina FM, Correio e Jornal A União ficaram impossibilitados de fazer a cobertura.

“Os soldados do exercito disseram que tinha ordens de não deixar ninguém passar após o horário que foi estipulado pelo cerimonial, mas a gente da imprensa não fomos avisados aonde era esse credenciamento, muito desorganizado esse credenciamento”, comentou um dos jornalistas. 

A prefeita de Poço José de Moura, Aurileide Egídio, o presidente da CDL de Cajazeiras, Severino Alves e alguns vereadores de cidades da região também foram impedidos de participar da cerimônia, causando mal estar e princípio de tumulto nas proximidades do evento. 

Declaração relâmpago.

Em entrevista rápida, após visitar o Túnel Cuncas II, em São José de Piranhas (PB), a presidenta Dilma Rousseff afirmou que as obras do Projeto de Integração do Rio São Francisco são cruciais para garantir o melhor convívio com a seca recorrente na região. Ela ressaltou que a interligação tem envergadura especial para beneficiar 12 milhões de pessoas em estados do Nordeste, e que junto com outros projetos serão marcas indeléveis na questão da segurança hídrica.

DIÁRIO DO SERTÃO

Fechar [x]