Três entradas no hospital de Itaporanga e mulher de 31 anos morre não se sabe de que

Uma dona de casa humilde, mãe de três crianças e moradora do sítio Cachoeira, município local, teve um triste e precoce fim: ela faleceu na madrugada dessa segunda-feira, 28, no hospital regional de Patos, para onde foi levada em estado gravíssimo depois de passar três vezes pelo hospital de Itaporanga.

Maria Iolanda (foto), de 31 anos, adoeceu a primeira vez no domingo, dia 20.

Segundo seu esposo, ela apresentava uma forte dor em um dos olhos, no pescoço e por todo o corpo, além de febre alta. Encaminhada para o hospital de Itaporanga, foi medicada para dengue e liberada aparentemente bem.

Mas nesse domingo, 29, ela teve o seu quadro clínico agravado, e, desta vez, além das dores e da febre, também apresentava vômitos sanguinolentos. Voltou ao hospital, onde foi medicada supostamente com um remédio chamado dipirona, segundo ainda seu marido, e foi mandada para casa, mas, ao chegar em sua residência, desmaiou, sendo reconduzida ao hospital, que não conseguiu diagnosticar o problema e a encaminhou para o regional de Patos, onde faleceu. Há uma suspeita de dengue hemorrágica, mas a causa que levou a mulher ao quadro fatal não se sabe.

“Aqui a gente não tem medicina”, lamentou o sogro da vítima durante contato com a Folha, ao comentar que o hospital de Itaporanga deveria ter encaminhado a paciente para Patos “logo a primeira vez que ela foi atendida porque estava visto que a coisa era grave”. Os pais e o sogro da mulher residem no Alto das Neves e estão todos muito abalados com a morte de Maria Iolanda, que era uma pessoa aparentemente sadia, segundo eles.

Com a morte de Maria, as três crianças, que têm idade entre 2 e 11 anos e estão sofrendo pela ausência da mãe, vão ficar, por enquanto, na casa dos avós maternos. 

Fonte: www.folhadovali.com.br
Fechar [x]