Sem querer mais a filha, mãe procura delegacia de Coremas para entregar a criança

Um fato inusitado bateu à porta da delegacia de Coremas na manhã da sexta-feira, 9, antevéspera do Dia das Mães: uma mulher moradora da cidade chegou à sede da Polícia Civil com uma menina de três anos, sua filha, intencionada a deixá-la com a polícia, alegando que não queria mais ficar com a criança.

Conforme o delegado local, Roberto Barros, como não havia nenhum representante do Ministério Público na cidade para cuidar do caso, a mulher, que é mãe solteira, foi orientada a voltar para casa com a criança. O delegado não revelou o nome da mulher para não expor a menor.


O delegado ficou surpreso com a atitude da mãe e pretende oficiar o Ministério Público sobre o fato para que alguma providência seja tomada em relação à mulher, que deve estar passando por algum problema de ordem emocional e, em função disso, a criança se encontra em vulnerabilidade: momentos antes de comparecer com a filha, ela já havia passado pela delegacia duas vezes em função de delitos cometidos.

Foram uma lesão contra uma mulher e um dano ao patrimônio, e terminou sendo conduzida uma terceira vez por ameaça, ou seja, três Termos Circunstanciados de Ocorrências (TCOs) em apenas um dia, fora o episódio da criança.

No terceiro caso, ela teve que ser levada à delegacia de Piancó, onde o delegado de Coremas se entrava fazendo um flagrante de Conceição por falta de delegado naquela cidade e também em Itaporanga. “Tive que deixar os serviços em minha delegacia e me deslocar a Piancó porque era o único delegado para 20 cidades”, lamentou o dr. Roberto, ao observar que a falta de delegados na região é um problema grave e compromete o trabalho da Polícia Civil. Uma realidade que as autoridades políticas e a sociedade precisam, conforme ele, tomar conhecimento.


folhadovali.com.br
Fechar [x]