Atual gestão de Coremas é acusada de tentar boicotar concurso público por motivação política

Folha do Vali

Desde que a Justiça derrubou a liminar, em fevereiro passado, que suspendia o concurso público de Coremas, a Prefeitura deveria ter sequenciado o certame  para realizar sua homologação, o que não aconteceu até agora, conforme denunciam alguns dos candidatos aprovados.
                
Conforme um dos 185 aprovados preliminarmente no concurso, realizado em agosto do ano passado, depois de muita insistência da empresa organizadora do certame, a Prefeitura aceitou discutir o assunto, mas estaria obstaculando a retomada do concurso.
              
A denúncia é que a atual gestão municipal tenta impedir a sequência e homologação do concurso por ele ter sido realizado pela gestão passada, adversária política da atual. “Outro motivo é que a prefeita quer impedir o concurso para manter os empregos dos aliados políticos, tanto que a Câmara Municipal aprovou um projeto da Prefeitura permitindo contratar sem concurso”, lamentou uma candidata aprovada durante contato com a Folha.
                
Nesta terça-feira, 11, a empresa Contemax, responsável pela organização do concurso, publicou nota dizendo que a continuidade das etapas subsequentes do certame depende da nomeação, por parte da Prefeitura, da nova Comissão de Concurso Público, mas não se sabe quando isso será resolvido. Dezenas de candidatos procuraram o Promotor de Justiça e ele informou que tem um encontro com a prefeita Chaguinha de Edilson na próxima terça-feira, 18, quando vai solicitar da gestora a finalização do concurso.
                
O certame foi suspenso em novembro do ano passado por decisão liminar da Justiça de Coremas, depois que alguns candidatos apresentaram denúncias de irregularidades contra o certame. Mas, conforme os aprovados, as denúncias foram infundadas, ou seja, sem provas, e feitas por pessoas ligadas politicamente à atual prefeita, um dos quais é hoje secretário municipal. “A intenção era prejudicar o concurso, porque tudo parece ter sido premeditado para impedir, como ocorreu, que o prefeito anterior homologasse o concurso, tanto que agora a Justiça derrubou a liminar porque não há provas contra o concurso e a gente espera que ele seja retomado e nosso direito garantido”, comentou uma outra candidata aprovada.
                
O vereador Sérgio Lopes, que é da oposição, também está lutando por uma solução para o impasse e diz que não é justo que as dezenas de candidatos aprovados por méritos e esforços próprios sejam agora prejudicados por motivação política e espera que o Ministério Público faça cumprir a lei.


Fechar[x]