OPOSIÇÃO: Dinaldinho Wanderley afirma que AL não pode ser sucursal do Governo do Estado

O deputado estadual diplomado Dinaldinho Wanderley afirmou, neste sábado, que a Assembleia Legislativa não pode ser uma sucursal do Governo do Estado. Ele falou que os deputados precisam ter liberdade para trabalhar em prol do povo e que cobrará do governador reeleito Ricardo Coutinho (PSB) a execução de promessas de campanha.

“Minha atuação como deputado será respeitosa ao governador, mas não deixarei de cobrar promessas de campanha, como a duplicação da BR-230, Hospital de Trauma em Patos, instalação da UEPB no Vale do Piancó e o tratamento da água de Coremas”, disse Dinaldinho, em entrevista ao jornalista Ary Ramalho.


O parlamentar criticou o debate que envolve a sucessão na presidência da ALPB. “Acredito que anteciparam a eleição, que será em fevereiro. A conversa rola desde novembro. É até um desserviço, pois os deputados deveriam estar trabalhando mais. A LOA já deveria ter sido votada”, declarou.

Dinaldinho formou um grupo na ALPB juntamente com Camila Toscano, Tovar Correia Lima, Renato Gadelha, Bruno Cunha Lima e Manoel Ludgério. Esse grupo que envolve deputados do PSC, PSD e PSDB vai votar junto, no mesmo presidente”, contou Dinaldinho. E acrescentou: “Queremos que a AL não seja sucursal do governo. É essa a nossa convicção. Ainda não definimos o voto. Acredito que Ricardo Marcelo pode sim sair candidato. Tudo pode ocorrer ainda, com duas ou três chapas”.

Sobre a possibilidade de disputar a Prefeitura de Patos em 2016, o deputado estadual admitiu que seu nome poderá ser avaliado. “Nunca neguei o sonho de administrar a prefeitura de Patos. Ainda não pensei em 2016. Seria muita presunção de minha parte. Não existe nada confirmado. Sou funcionário do povo. O povo dirá o que devo fazer”, finalizou o parlamentar.


MaisPB

Fechar [x]