Estudante de cidade do Vale do Piancó toma susto ao descobrir que teria 'morrido em acidente', nas redes sociais



Caso alerta para informações que são postadas nas redes sociais; jovem teria ficado transtornada ao usarem seu nome para construir uma falsa história trágica.


Uma estudante de um curso técnico em enfermagem do município de São José de Caiana (no Sertão paraibano, a 454 quilômetros de João Pessoa), foi vítima de uma brincadeira de mau gosto que poderia ter tomado proporções mais graves.



Boato criado, não se sabe por quem ou com que objetivos, circulou nas redes sociais no início desta semana sobre um suposto acidente em que Geormanha Vieira teria sido vítima e não teria sobrevivido.




Ela só descobriu o que estava acontecendo quando saiu de casa, na manhã da segunda-feira (21) para ir à feira livre da cidade e encontrou pessoas conhecidas que a olhavam surpresas e lhe abraçavam.


Geormanha contou que o que mais a incomodou não foi o sentimento estranho no olhar das pessoas, mas a aflição que o pai dela demonstrou sentir ao avistá-la. Ele correu ao seu encontro, deu-lhe um abraço e contou, chorando, que por toda a cidade já circulava a notícia de sua morte.


"Não estava entendendo o que acontecia, até meu pai me contar que estava no trabalho e tinha recebido a notícia de que eu tinha morrido em um acidente entre os municípios de são José de Caiana, onde moro, e Itaporanga. Um caminhão teria batido em mim e eu não teria sobrevivido. Fiquei transtornada e muito preocupada com o que poderia ter acontecido com meu pai, tamanho foi o susto que ele levou", relatou.


A estudante contou que ficou muito chateada com o que aconteceu e quando chegou em casa, a mãe dela contou que duas tias que moram no Rio de Janeiro e em Brasília tinham ligado porque souberam, pelo Facebook, o que teria acontecido, ou seja, a suposta morte da jovem. "Foi aí que percebi que a notícia tinha se espalhado pela internet", contou.


A estudante disse que procurou imediatamente a polícia da cidade, um destacamento com apenas dois policiais militares. Lá, não souberam nem informar que tipo de crime era aquele. A estudante foi orientada pelos policiais a procurar a delegacia do município vizinho, Itaporanga.


Germanha é monitora em uma escola do município de São José de Caiana e, por conselhos da mãe, desistiu de ir até Itaporanga para prestar queixa sobre o que tinha ocorrido. O mais impressionante foi que a notícia se espalhou rapidamente sem que nenhum acidente nas rodovias próximas ao município tenha acontecido naquele dia.


"A gente tem que ter muito cuidado com as informações que circulam nas redes sociais, principalmente, quando as informações são graves. Elas precisam ser confirmadas antes da gente compartilhar. Eu fiquei muito chateada com o que fizeram comigo e agradeço a todos que me prestaram solidariedade", desabafou.


Fonte: Por Luciana Rodrigues

 
Fechar [x]